COVID-19: O QUE ANGOLA PODE FAZER DURANTE E DEPOIS DA PANDEMIA?

COVID-19

COVID-19 Angola

Numa altura em que as pessoas estão a celebrar a saúde (Dia Mundial da Saúde – 7 de Abril), os habitantes de todo o planeta estão em risco de contrair uma doença que está a desafiar os sistemas sanitários de todos os países e a ceifar vidas humanas à uma diversidade territorial, quantidade e velocidade nunca antes vistas.

Situação que é dificultada ainda mais pela circulação global e simultânea de pessoas e bens, o que facilita a disseminação da doença.

A pandemia é causada por um vírus de nome SARS-Cov2, um vírus do tipo RNA da família Coronavíridae que causa uma doença denominada COVID-19, o número em alusão ao ano de aparecimento da doença. É um vírus muito contagioso, sendo que o contágio acontece por aerossóis, gotículas e contacto directo com superfícies contaminadas (como olhos, nariz e boca), causando um síndrome gripal. A doença evolui para uma pneumonia bilateral (afectando os dois pulmões) e, eventualmente, morte por insuficiência respiratória.

Tendo em conta a situação actual do país, a melhor opção foi declarar o Estado de Emergência, uma vez que não estamos prontos para uma doença com estas características. Atendendo à evolução estimada da doença, pelo que acontece noutros países, esta iria causar uma ruptura no sistema de saúde.

Evidentemente todos os cenários que se possam traçar são apenas estimativas, já que ainda é muito limitado o conhecimento demográfico da população em Angola. A única forma de combater o vírus é pela educação da população sobre as formas de transmissão e medidas de prevenção. O indivíduo deve saber que mesmo que a infecção não tenha consequências individuais imediatas (até porque se pode manifestar com poucos ou nenhum sintoma), o impacto na população é significativo, principalmente, mas não só, nos grupos de maior risco: idosos, pessoas com doenças respiratórias e indivíduos com fraco sistema imunológico.

O passado recente do país, já traz os problemas demográficos e sociais, nomeadamente, a elevada densidade populacional em Luanda, com casas pequenas habitadas por famílias grandes, problemas sanitários, ausência de água potável e a existência de vendedores de rua que manipulam comida e outros objectos com as mãos. Problemas esses que podem contribuir para o agravamento da situação, anexada à falta de informação e, pior do que isso, a desinformação.

Um pouco por todo o mundo ocidental os serviços de saúde, sejam eles públicos ou privados, não estavam preparados para o aparecimento de uma pandemia. Claramente, o sistema de saúde em Angola não tem recursos monetários, tecnológicos e de mão de obra qualificada para fazer face à pandemia, caso esta tenha uma progressão semelhante à dos países ocidentais.

Actualmente, a resposta no país terá de passar por tornar o nosso sistema de saúde público mais tecnológico, criar aplicativos que nos ajudem a controlar uma  contaminação no sentido de não se alastrar, ter o controlo de doentes em quarentena, dos profissionais de saúde que poderão entrar em quarentena e o controlo de camas disponíveis nos hospitais com medidas de isolamento.

A resposta passa ainda por optimizar a forma de eliminar resíduos hospitalares e domésticos, o controlo de falta de água; Mobilizar recursos industriais para fabricar maior quantidade de máscaras e luvas de protecção, criar mais películas para cobrir as diferentes superfícies mais frequentemente partilhadas (teclados dos multicaixas podiam ser cobertos com plásticos transparentes, teclados dos computadores, botões dos elevadores, telefones públicos, interruptores de energia), para facilitar na limpeza ou até torná-las limpáveis/desinfectáveis, antes de fazermos o uso.

Outra questão importante prende-se com o fluxo migratório. É verdade que o fluxo de pessoas no Aeroporto 4 de Fevereiro é relativamente baixo, quando comparado com outros países do mundo, mas também constitui verdade o facto de outras fronteiras, nomeadamente, as terrestres serem de difícil controlo. Sendo que podem tornar-se num canal de imigração de pessoas contaminadas e, por esta via, propagar a doença no país, sem que seja detectada, logo de início.

Historicamente, as crises sociais, especificamente as provocadas por doenças, permitiram sempre criar novas oportunidades e melhorar os sistemas de saúde, bem como de aumentar o conhecimento da população sobre as medidas de evitar doenças e, através disso, melhorar as práticas sociais de prevenção de doenças. Esperemos que desta vez não seja diferente.

Pensando sobre o futuro, certamente, a população terá melhorado o seu entendimento sobre o que é uma contaminação e que não se deve esperar pelo aparecimento de vítimas mortais para se actuar no sentido de salvar vidas. Poderá  ser motivo para se investir mais na formação de profissionais de saúde, sobretudo do fórum respiratório, e estímulo para implementar nas escolas novos conteúdos programáticos, como medidas de contenção de doenças e biossegurança, e aprendizagem sobre higienização pessoal, como a lavagem de mãos, o contacto com as pessoas e com superfícies (públicas) partilhadas.

Silvina Pereira, Médica

Related Posts
1 Comment
  1. Avatar Maria Barros

    Gostei da abordagem da Dra Silvina, principalmente por ter deixado algumas novas sugestões no que tange a novas medidas de segurança. A dias fui ao multicaixa , imaginei que o teclado por esse estar altamente contagiado pelo vírus, e preferi ir embora sem usar…. Obrigada pelo seu contributo. Bora lá mudar de mentalidade e perceber que o Covid é uma realidade e preservar a nossa saúde malta.

Leave a Reply

Arquivo