Cidadania em Debate: Cidadãos além das fronteiras

"Não é porque eu mudei de país que deixo de ser pessoa"

Quais são os limites da minha dignidade?
Como posso continuar a exercer a minha actividade cívica num país que não é meu de origem?

Estas foram algumas das inquietações apresentadas por alguns participantes na 15ª edição do Cidadania em Debate que aconteceu no passado sábado, dia 9 de dezembro 2017. Esta edição congregou cerca de 50 pessoas vindas de vários lugares de Angola.

Daniel Sukuakueche, advogado do Serviço Jesuíta para os Refugiados foi o facilitador escolhido para dissertação do tema.

Quanto a primeira questão o facilitador disse que a Constituição de Angola é muito clara, defende a dignidade de toda pessoa sem excepção (artigo 1º). Por isso Angola dá guarida à todos os cidadãos que vêm para o país, ressaltou.

Para a segunda questão o advogado referiu que basta apenas respeitar os processos legais que cada país tem. Só não pode ser de forma arbitrária, sublinhou Daniel Sukuakueche.

O Mosaiko | Instituto para a Cidadania trouxe a debate esta questão porque defende a dignidade humana. Todo o trabalho que faz em torno dos Direitos Humanos tem como o princípio a igualdade, acolhido também pela Declaração Universal dos Direitos Humanos no seu artigo 7º.

Não é porque eu mudei de país que deixo de ser pessoa, não fico privado dos meus direitos por estar num país que não é meu de origem, interviu, no debate, o director geral do Mosaiko, frei Júlio Candeeiro.

Este trabalho do Mosaiko é também fruto da ligação que tem com o CEPAMI- Comissão Episcopal para a Pastoral de Migrantes.

Daniel Sukuakueche disse, durante o debate que teve duração de duas horas e meia, que o nosso país tem leis e um órgão que é Conselho Nacional dos Refugiados, redefinido em 2015 com objectivo de prevenir situações como a que vivemos recentemente com a vizinha República Democrática do Congo, e não só. Mas este ainda não está em funcionamento. Temos feito advocacia para que funcione, disse o facilitador, que aproveitou a ocasião para estender o apelo ao Estado, organizações da sociedade civil, cidadãos nacionais e estrangeiros, face às dificuldades que as pessoas imigrantes, itinerantes, apátridas e requerentes de asilo passam no nosso país, no sentido de denunciarem actos que violem os direitos destes cidadãos.

Mosaiko 20 anos ao serviço dos Direitos Humanos em Angola

Related Posts
Leave a Reply

Arquivo