“A Declaração não criou nada de novo” – Frei Júlio Candeeiro

DEBATE

“A Declaração não criou nada de novo” - Frei Júlio Candeeiro

Muito antes da criação da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), no continente Africano já havia a noção de valorização da vida.

“Antes do colono dizer que a vida é sagrada, em África já tínhamos essa noção de valor da vida, portanto a declaração não criou nada de novo. A dignidade da pessoa é universal, não importa quem pôs no papel”, referiu o director-geral do Mosaiko, Júlio Candeeiro, durante o debate sobre os “70 anos da DUDH, avanços e desafios”, no passado dia 8 de Dezembro, no Jango do Mosaiko.

Contrariando a ideia do participante do debate, Rodrino Tchieva, de que os africanos não deviam comemorar os 70 anos da DUDH, uma vez que toda a inspiração deste documento aconteceu, à margem do continente.

Júlio Candeeiro afirmou que “a DUDH pode até não ter sido escrita em África, mas o que temos que discutir é se são ou não, universais os valores proclamados por ela.  É verdade que a DUDH chega tarde para aquilo que eram os dramas da humanidade, mas é preciso entender o contexto”. 

“Os africanos sempre tiveram direitos e estes não deixaram de existir porque o colono os violou”, reforçou Júlio Candeeiro.

A implementação dos direitos instituídos na DUDH, sobretudo em Angola, ainda é, actualmente, um grande desafio. Segundo avançou o advogado do Mosaiko, Hermenegildo Teotónio, sobretudo no concerne à materialização de instituições que possam dar segurança jurídica, aos Direitos Humanos. “Enquanto isso não acontecer, não faz sentido dizer que temos direitos”.

Outra participante no debate sustentou a ideia de que paralelamente à DUDH, deveria existir uma declaração de deveres, para que os países-membro da Organização das Nações Unidas sejam responsabilizados quando não cumprirem as suas obrigações.

Já um estudante universitário estabeleceu a relação entre os direitos humanos e a qualidade de vida das pessoas para fundamentar que “se não temos um padrão digno, não podemos falar em avanço dos Direitos Humanos em Angola”.

Por uma Angola melhor!

Related Posts
Leave a Reply

Arquivo