“A independência não podia ser apenas ter um hino e uma bandeira”

Cidadania em Debate

“A independência não podia ser apenas ter um hino e uma bandeira”

“A mudança social tinha que acompanhar a independência que não podia ser apenas algo como ter um hino e uma bandeira, era uma independência para transformar a vida dos angolanos”, afirmou a historiadora Maria da Conceição Neto, durante a 26ª edição do “Cidadania em Debate”, realizado no Jango do Mosaiko.

A historiadora falava para cerca de 60 pessoas, no dia 10 de Novembro, e sublinhou que o processo da independência foi muito difícil, porque era militar e político. “Milhares de pessoas se envolveram neste processo, pagando o preço da liberdade com as suas vidas, prisões e perseguições”, afirmou a professora que apelou, por isso, ao respeito daqueles que lutaram pela independência de Angola.

Repensar a independência

“Hoje a geração actual critica a geração da independência, por não ter cumprido com o projecto da independência. Na altura eu tinha 21 anos e o espírito era mais ou menos… queremos já! A nossa independência aconteceu nos meados dos anos 70, 13 anos depois da luta armada. O mundo estava num ambiente de entusiasmo revolucionário, anti-imperialista… Acreditávamos que era possível fazer de uma vez a independência e a revolução social. Hoje olho para trás e digo: estávamos um pouco loucos”, testemunhou a professora que acrescentou os seguintes depoimentos:

A independência nacional foi conquistada, não foi oferecida. O processo não foi pacífico nem tranquilo e não houve negociações, como aconteceu noutras colónias de África.

Em 1974, discutia-se sobre que independência era necessária? Total ou parcial? Os povos estavam preparados ou não para a independência? Quem representaria os angolanos? Os que combateram com arma na mão (militares) ou os representantes de todo o povo (camponeses, académicos, autoridades tradicionais)?

Em Agosto de 1975, os três movimentos reconhecidos como representantes do povo entram numa situação de guerra, o que impediu o funcionamento do governo de transição. Em Novembro o país, estava em guerra interna, com a intervenção de forças externas (África do Sul, exércitos de libertação portugueses e os cubanos).

“Cada um começou a defender o seu projecto de nação como o mais justo, o mais correcto. Isso dividiu o povo Angolano”.

Às 00:00 horas de 11 de Novembro de 1975 sob a bandeira do novo país, em Luanda, Huambo e Uíge. Depois veio o reconhecimento internacional, Portugal só reconhece três meses depois.

Para Carlos Pulungo e Severino Sacutata, participantes no debate, o processo de revolução social falhou porque os aspectos culturais foram grandemente ignorados.

A moderadora respondeu que os aspectos culturais sempre foram tidos em conta, desde o momento a luta pela libertação, mas a sua aplicação não seguida de resultados efectivos.

Related Posts
Leave a Reply

Arquivo