A inclusão é um direito de todos

Direitos das Pessoas com Deficiências e das Crianças.

Direitos das Pessoas com Deficiências e das Crianças

A convite do Grupo Comunitário do Bairro da Graça, em Benguela, o Mosaiko facilitou uma formação sobre os Direitos das pessoas com deficiência e os Direitos da Criança.O encontro decorreu nos dias 23 e 24 de Agosto, na Escola Missionária do Bairro e contou com a presença de mais de 20 representantes das entidades que compõe o Grupo.
Na abertura do encontro, o director-geral do Mosaiko, Júlio Candeeiro, realçou que além de sabermos sobre os direitos das pessoas com deficiência, é preciso compreender o que é a deficiência e quais são os meios disponíveis para ajudar a esclarecer e garantir tais direitos, de acordo com as necessidades destas pessoas.
“A deficiência não pode ser um elemento de exclusão social”, afirmou Júlio Candeeiro, destacando ainda que a inclusão e a igualdade de oportunidades são elementos fundamentais para que, principalmente as pessoas com deficiência se sintam parte da sociedade.
Porém, na prática nem sempre isso acontece. De acordo com o professor Paulino, um dos participantes na formação, revelou que se candidatou no último concurso e não foi aprovado. “A avaliação que fizeram é que sou incapaz para exercer esta profissão”, explicou o professor que apresenta uma limitação física que o obriga a usar muletas para caminhar.
Além deste caso, outras situações como estas de discriminação, foram partilhadas por outros participantes. “Ao percebermos que um direito está a ser negado a outra pessoa, logo temos o dever de ajudá-la a garanti-lo”, sublinhou o director-geral do Mosaiko.

Ter direitos é um direito
Esta reflexão encerrou o primeiro dia de actividades e, desde logo, assumiram-se alguns compromissos para que os direitos das pessoas com deficiência sejam, aos poucos, mais reconhecidos no Bairro da Graça. De entre algumas iniciativas sugeridas estão:
• Realizar palestras nas escolas e igrejas;
• Promover formações com os professores e profissionais de saúde;
• Realizar um levantamento de quantas pessoas com deficiência existem nas famílias;
• Trabalhar com a administração e com o Sindicato Nacional dos Professores (SINPROF);
• Contactar as empresas e entidades para que possam oferecer oportunidades de estágios para as pessoas com deficiência.
Já no segundo dia de formação, o tema abordado foi sobre os Direitos da criança. Num trabalho de grupo, os participantes procuraram trazer respostas e reflexões sobre: Quem é a criança na nossa sociedade? Quais são os seus direitos? A criança tem deveres?
Ao longo dos diálogos, constatou-se que alguns direitos ainda precisam de mais atenção, seja por parte da própria família, seja por parte do Estado, ajudando a prover direitos tais como: a educação, lazer e saúde.
“Não devemos esquecer que a protecção, o cuidado e o afecto são essenciais na vida de uma criança, para que ela se torne uma pessoa adulta segura”, relembrou Júlio Candeeiro.
A formação e o Grupo Comunitário da Graça
Os temas “os direitos das pessoas com deficiência e os direitos da criança” foram escolhidos pelos participantes do Grupo Comunitário do Bairro da Graça. “Esta iniciativa faz parte da programação anual e acredito que é uma resposta às situações que afectam directamente a vida das pessoas no bairro”, explicou a voluntária coordenadora dos Projectos dos Leigos para o Desenvolvimento, em Benguela, Rita Marques.
Segundo a coordenadora, o Grupo Comunitário existe há oito anos e actualmente conta com 43 entidades parceiras. Um dos focos do grupo, é abordar assuntos sobre os Direitos Humanos, “o nosso objectivo é aprender a caminhar junto com o Mosaiko nesta área”, afirma a coordenadora.
Esta formação foi facilitada pelo director-geral do Mosaiko, Júlio Candeeiro e pela jornalista e coordenadora do Departamento de Informação e Edições (DIE) do Mosaiko, Sílvia Cristina.

Actividade teve o apoio da Fundação Fé e Cooperação (FEC), a Misereor e do Instituto Camões.

Mosaiko – ao serviço dos Direitos Humanos em Angola

Related Posts
Leave a Reply

Arquivo